Pesquisar:

- de - encontrados

Notícias Jurídicas
Renovadas diariamente de segunda a sexta

Casal que desistiu de viagem terá bilhete promocional reembolsado

Uma companhia aérea terá de restituir valores pagos em passagens por casal que desistiu da viagem um mês antes do voo. A decisão é do juiz de Direito Márcio Teixeira Laranjo, da 2ª vara Cível de São Paulo, ao considerar que a empresa não comprovou que os bilhetes não são reembolsáveis por serem promocionais.

Consta nos autos que a data do voo dos autores era de 14/3/20 e 28/3/20, mas em virtude da pandemia declarada pela OMS e das medidas sanitárias implementadas, não foi possível de ser realizado. Os autores, então, remarcaram a viagem para junho de 2020, que, posteriormente, foi cancelado novamente.

Mais uma vez, o casal teve de remarcar o voo e, dessa vez, agendou para 28 de maio de 2022. Acontece que, por receio de ficarem doentes na Europa, eles desistiram da viagem e solicitaram ou o reembolso ou o reagendamento da viagem para 2023. De acordo com cônjuges, a cia aérea se recusou a proceder tanto com o reembolso quanto com a nova remarcação.

Por sua vez, a companhia aérea argumentou que o voo de ida, 28 de maio de 2022, está confirmado para operar normalmente, mas que houve a desistência dos autores. Ademais, apontou que os bilhetes são promocionais, de modo que não são reembolsáveis, e que a remarcação só seria possível com o pagamento da tarifa por desistência do usuário.

Ao analisar o caso, o juiz de Direito Márcio Teixeira Laranjo observou que a empresa não comprovou o argumento de que os bilhetes não são reembolsáveis por serem promocionais.

Ainda, o magistrado explicou que a desistência foi comunicada para a agência de viagens mais de um mês antes do embarque, portanto, a cláusula penal deve ser estabelecida tendo em vista a proporcionalidade entre a data de cancelamento e as condições de compra.

“Assim, nos termos do artigo 413 do Código Civil e na ausência de outros elementos a serem considerados, arbitro a multa em 10% do valor das passagens, de maneira que 90% (R$ 18.329,06) deve ser restituído aos autores.”

Fonte: Migalhas


Ver todas as Notícias Jurídicas